Academia ao ar livre é certeza de bom resultado e treino acessível

A academia ao ar livre é uma excelente opção para quem deseja começar a fazer atividade física. Uma das vantagens é o ambiente agradável e com aparelhos que ajudam a trabalhar a força muscular e a ativar as articulações. Apesar de se realizar fora de uma academia, a orientação profissional pode maximizar os resultados e dirimir os riscos inerentes à prática.

Academia ao ar livre

Academia ao ar livre

O preparo físico e o fortalecimento são primordiais na prevenção de dores, principalmente na região dos ombros, tanto para quem sofre de bursite ou tendinite, por exemplo. A academia ao ar livre pode trazer de volta a rotina de exercícios a fim de tratar e evitar a inflamação, no entanto, deve-se ter cuidado, pois na hora da crise o exercício não é recomendado.

Na academia ao ar livre, os aparelhos auxiliam nos trabalhos com a cintura escapular e a fortalecer os músculos. Tem inclusive os aparelhos que simulam o transport, que ajudam a queimar calorias e na ativação das articulações. Cabe ressaltar que se o resultado esperado for o emagrecimento, deve-se associar à atividade física uma dieta equilibrada.

Independentemente do seu caso, seja para prevenir dores ou apenas para ganhar massa muscular, o início de qualquer atividade deve ser acompanhado de uma visita ao médico e de uma busca por supervisão profissional. Essas duas medidas podem evitar lesões e aprimorar os resultados ao corpo.

Exercícios da academia ao ar livre

Educadores físicos sugerem uma série para ser feita na academia ao ar livre e a forma correta para executar cada um deles. As atividades de aquecimento devem ser realizadas de 5 a 10 minutos. Para os exercícios, o ideal é desenvolver quatro séries de 15 a 20 repetições, com intervalos de um a dois minutos para recuperação da musculatura. Não se pode esquecer o alongamento ao finalizar o treino. Após dois meses, programa pode ser revisto com o intuito de incrementar seus benefícios.

Confira exercícios que normalmente podem ser feitos na academia ao ar livre:

Esqui

Atua basicamente na região das coxas e glúteos. Integra a parte de aquecimento e deve ser realizado entre 5 a 10 minutos.

Trabalha quadris, membros inferiores, região lombar e o equilíbrio. Lembre-se de manter o abdômen contraído, quadril encaixado e as pernas com leve flexão.

Multiexercitador

Excelente opção para idosos que não possuem problema no ombro, já que proporciona mobilidade na região. Deixe os cotovelos afastados e eleve os braços sem que haja a extensão completa. O aparelho agrega também cadeira flexora, extensora e puxador. Trata-se de um achado para a academia ao ar livre devido a suas múltiplas funções.

Simulador de cavalgada

Dentre os aparelhos da academia ao ar livre, é o que exige mais força. Atua diretamente na coordenação, equilíbrio, membros inferiores e superiores. A remada no alto exercita as costas e na isometria a pessoa exercita o quadríceps. Deixe sempre a coluna ereta e o abdome encaixado.

Pressão de pernas

Este exercício favorece a musculatura das pernas.Fique sentado com as costas apoiadas no banco e deixe os pés na base e as mãos na lateral do corpo. Estique as pernas e volte à posição inicial antes da extensão total.

Saiba tudo sobre gastrite

A gastrite é caracterizada por uma infecção ou inflamação na região de revestimento do estômago. A versão aguda da doença pode durar pouco tempo, enquanto a crônica é capaz de se estender durante anos.

A causa mais conhecida para o aparecimento da gastrite é a fraqueza da barreira que protege a parede do estômago, que permite que os sucos digestivos produzidos por ele causem danos à sua estrutura.

Em grande parte dos casos, o problema pode ser causado pela presença de uma bactéria conhecida como Helicobacter Pylori, que vive no revestimento do estômago e se não for tratada corretamente pode provocar o aparecimento de úlceras ou de doenças mais graves, como o câncer de estômago.

gastrite

Alguns fatores podem ser considerados de risco e aumentar as chances de uma pessoa desenvolver a gastrite, entre eles, está o uso excessivo de analgésicos, que prejudica a produção de uma substância essencial para garantir a proteção da parede estomacal.

A idade também pode ser considerada como um fator de risco. Quanto mais velha a pessoa for, mais chances ela terá de desenvolver a gastrite, já que com o passar dos anos o revestimento do estômago tende a se tornar mais flácido.

O alcoolismo, o estresse, o uso de drogas e algumas doenças como a Aids, também podem facilitar o aparecimento da gastrite. As pessoas que têm relação com alguns desses fatores devem ficar ainda mais atentas.

Sintomas e Tratamentos da Gastrite

A gastrite pode passar despercebida as vezes, como também pode vir acompanhada de alguns sintomas. Entre os mais comuns, podemos citar: indigestão, náuseas, azia e queimação, dores abdominais e perda de apetite.

Nos casos mais graves, onde há a presença de sangramento na parede do estômago, é possível encontrar sintomas como vômitos acompanhados de sangue e fezes escuras.

A partir do momento em que você identificar a presença de um ou mais desses sintomas, é necessário procurar um médico. O especialista indicado para cuidar das pessoas que sofrem com a gastrite é o gastroenterologista.

Durante a consulta, você deve informar ao médico sobre todos os seus sintomas, e falar também sobre a frequência com que eles costumam aparecer. Esteja preparado para responder à algumas perguntas e exponha todas as suas dúvidas.

É muito importante sair do consultório sabendo exatamente o que você tem, qual foi a causa da sua doença e o que você deve fazer dali para frente para tratar os seus sintomas.

O diagnóstico da gastrite será feito com base no levantamento do seu histórico médico e familiar, e com a realização de alguns exames específicos, como o que é solicitado para identificar a presença da bactéria Helicobater pylori. Uma endoscopia também poderá ser solicitada.

O tratamento da gastrite irá depender do que está causando o aparecimento da doença. Alguns medicamentos são recomendados para diminuir a quantidade de ácido no estômago, como os antiácidos e os antibióticos.

Prevenção da gastrite

Como já sabemos, o melhor tratamento contra qualquer doença é a prevenção. Sendo assim, se você quer se manter longe da gastrite, é importante adotar algumas medidas preventivas.

As substâncias tóxicas são capazes de causar irritação no estômago e facilitar o aparecimento da doença. Portanto, procure manter-se afastado do consumo de bebidas alcoólicas, do cigarro e de qualquer tipo de droga.

Quanto ao aparecimento da bactéria, alguns estudos apontam que ela possa ser transmitida para os seres humanos por meio de alimentos e água contaminada. Dessa forma, procure manter a sua higiene pessoal em dia e tome muito cuidado antes de consumir qualquer alimento.

Lave suas mãos frequentemente, principalmente antes de comer e não leve à mão na boca quando estiver em locais públicos. Medidas simples como essas podem te ajudar a se manter bem longe da gastrite.

Como aliviar a gastrite

Quem sofre com a gastrite sabe exatamente de todas as dores que ela é capaz de provocar. Tamanho problema é gerado, que alguns dias são difíceis de serem suportado. Algumas dicas de como aliviar a gastrite são de extrema importância.

A gastrite se dá por conta da inflamação, erosão ou infecção das paredes do estômago. É dividida em aguda ou crônica. Na primeira divisão dura por pouco tempo. Mas já na segunda, pode durar meses e nos piores casos, durar anos e anos.

Como aliviar a gastrite no seu dia a dia e acabar com as dores e desconfortos

Gastrite

É muito indicado que antes mesmo de qualquer auto diagnóstico, seja procurado um médico. A gastrite possuí sintomas parecidos com os de má digestão, refluxo e até mesmo o câncer. Provavelmente ele pedirá uma endoscopia para verificar o real motivo.

  • Mastigue a comida

Você com certeza já ouviu aquele conselho da sua vó ou mãe sobre mastigar bem a comida antes de engolir, não é mesmo? Acredite que esse simples ato já ajuda e muito nas dicas sobre como aliviar a gastrite.

Uma boa mastigação reduz as partículas do que está sendo ingerido, ajudando na formação do bolo alimentar. Caso isso não ocorra da maneira certa, o organismo vai precisar liberar mais suco gástrico para conseguir digerir o alimento.

  • Não exagere no álcool

Ao ingerir álcool, a mucosa estomacal é diretamente atacada e agredida. Isso faz com que o estômago fique menos protegido contra os ácidos do suco gástrico.

A pessoa que está sempre exagerando no álcool, além de prejudicar a sua saúde num geral, ainda está acabando com o seu estômago. Se esse hábito for mantido, até mesmo um úlcera pode ser formada.

Evite consumir o álcool se possível. Caso não consiga fazer isso, então pelo menos diminua a quantidade do que é consumido habitualmente. Cuide do seu estômago.

  • Cuidado com o cafezinho

O café é extremamente irritante para o estômago em casos onde já existe uma certa inflamação no local. O consumo da bebida nessa situação é comparado como o ato de jogar álcool numa ferida. Com certeza vai doer!

Para quem não possuí essa inflamação, é recomendado fazer um consumo mais consciente do café. Não exagere hoje, para que amanhã você não sofra por isso.

Sem dúvida nenhuma é possível reduzir um pouco o café. É muito melhor continuar com o estômago sem dor, do que o prazer momentâneo que a bebida pode causar.

  • Tente controlar o seu nível de estresse e ansiedade

Com certeza essa é uma dica de como aliviar a gastrite mais difícil de ser seguida, não é mesmo? Mas o fato é que esses estados emocionais são capazes de aumentar a secreção do suco gástrico e isso machuca muito as paredes do estômago.

Pratique atividades físicas regularmente e mantenha hábitos mais relaxantes. Procure fazer massagens e tente praticar a meditação sempre que possível.

  • Evite ou pare de fumar

Não existe nada que seja favorável para que as pessoas continuem fumando. Isso é fato e todos nós já sabemos? Você ainda quer mais um motivo para nunca experimentar e até mesmo parar de fumar? A saúde do seu estômago!

Esse hábito acaba estimulando a produção de ácidos estomacais. Isso acaba machucando toda a mucosa gástrica que reveste e protege o seu estômago.

Como aliviar a gastrite para sempre

Aprenda e entenda que seguir essas dicas tão simples vão lhe proporcionar uma vida muito mais saudável. Esqueça aquelas velhas dores terríveis no seu estômago.

Você já sabe como aliviar a gastrite e já pode dar adeus a esse mal que persegue e tortura tantas pessoas. Não fique mais sofrendo a toa! Evite ao máximo e tenha uma vida muito mais prazerosa.

Cálculo Renal: Tipos, Sintomas e Tratamento

O cálculo renal é uma doença caracterizada pela presença de uma massa sólida formada por cristais bem pequenos que podem se alojar nos rins ou em qualquer órgão do sistema urinário. Popularmente, o cálculo renal é conhecido como “pedra nos rins”.

Tipos de cálculo Renal

Tipos de cálculo Renal

O cálculo renal se apresenta sobre quatro formas diferentes, sendo elas: cálculo de estruvita, cálculo de cistina, cálculo de cálcio e cálculo de ácido úrico.

O cálculo de estruvita costuma ser encontrado em mulheres que sofrem com infecção no trato urinário. As pedras causadas por esse tipo de cálculo podem crescer demasiadamente e obstruir o rim ou a bexiga.

O cálculo de cistina, como o próprio nome já diz, aparece nas pessoas que sofrem com a cistinúria, conhecida doença renal de aspecto hereditário que pode atingir tanto os homens quanto as mulheres.

O cálculo de cálcio é o tipo mais comum, e pode ocorrer com maior incidência nos homens do que nas mulheres. Geralmente, as “pedras” de cálcio aparecem entre os 20 e os 30 anos, e podem surgir novamente mesmo após o tratamento.

Esse tipo de problema acontece quando o cálcio se une à outras substâncias como o fosfato e o carbonato, e forma a pedra. As dietas à base de vitamina D costumam favorecer o surgimento do cálculo.

Cálculo Renal – Sintomas e Tratamento

As pedras nos rins podem existir sem o aparecimento de nenhum sintoma no inicio. A dor só começa quando elas começam a se movimentar pelos órgãos do trato urinário. Entre os principais sintomas da doença, podemos citar:

– Dor ao urinar

– Dores fortes na região abdominal

– Urina avermelhada ou com a presença de sangue

– Necessidade frequente de urinar

– Vômito e náuseas

Se você está sofrendo com um ou mais desses sintomas, está na hora de procurar um médico. Durante a consulta, você deve informar ao médico quais são os seus sintomas, com que frequência eles aparecem e desde quando você notou o surgimento deles.

Como fazer o diagnóstico do cálculo renal

Ultrasom para diagnóstico do cálculo renal

Geralmente, o profissional mais indicado para cuidar de um paciente que apresenta sintomas de cálculo renal é o nefrologista. No momento da consulta, é importante que você esteja preparado para responder à algumas perguntas e também para expor todas as suas dúvidas relacionadas à doença.

Para confirmar o diagnóstico, o médico deverá solicitar alguns exames como exames de sangue, de urina e de imagem.

Antes de começar o tratamento, é necessário identificar qual é o tipo de cálculo renal, o que está provocando o aparecimento das pedras e qual são o tamanho das mesmas.

Geralmente, quando as pedras são muito pequenas, não será preciso que o paciente passe por procedimentos invasivos. É necessário apenas que ele siga estritamente as orientações do médico.

Os médicos costumam sugerir que o paciente beba muita água, para que as pedras sejam eliminadas através da urina, e tome analgésicos para aliviar a dor provocada pelo cálculo renal.

Quando as pedras são muito grandes e provocam dores fortes no paciente, o tratamento deverá ser feito de forma diferente. Nesse caso, as pedras não podem ser eliminadas de forma natural, e é necessário realizar procedimentos mais invasivos, como uma traqueostomia, por exemplo.

Na traqueostomia, o paciente sofrerá um pequeno corte na região das costa, e as pedras maiores serão retiradas por um procedimento cirúrgico.

Para evitar o aparecimento do cálculo renal, procure tomar bastante água, reduzir a quantidade de proteína e sal nas suas refeições e evitar os alimentos ricos em oxalato, como a batata, as nozes e o chocolate.

Como todos nós sabemos, é sempre melhor prevenir do que remediar. O cálculo renal não é um problema grave, a princípio, mas se não for tratado corretamente, pode acabar se tornando um.

Como acabar com o cálculo renal

Pequenos cristais são responsáveis pela formação de uma massa sólida que dão origem ao cálculo renal. Esse problema afeta principalmente os rins, mas pode afetar qualquer outro órgão do trato urinário. Se você sofre desse mal, confira como acabar com o cálculo renal.

A causa desse grande problema, pode se dar quando há maiores quantidades de substâncias como o cálcio, ácido úrico e oxalato na urina. São essas as substâncias que são capazes de formar os cristais que dão origem as pedras.

Como acabar com o cálculo renal de uma vez por todas

Quem já sofreu com cálculo renal sabe as dores que esse problema trás. Tamanha são elas que levam a vômitos, náuseas, febre e até mesmo sangue na urina. Sabemos que quanto maior o cálculo, maior a dor também.

  • Beba bastante líquidos

Os líquidos são importantes para qualquer pessoa que queira se manter saudável. Eles são os responsáveis pela hidratação do nosso corpo.

Beber no mínimo dois litros de líquidos por dia, é o mais indicado para quem está com dúvida sobre como acabar com o cálculo renal e colocar um ponto final nesse problema.

A água por exemplo, é capaz de diminuir a concentração da urina. Isso faz com que os cristais sejam diluídos, impedindo o seu crescimento.

  • Evite ingerir álcool em excesso

Em primeiro lugar, o ponto negativo em relação ao álcool é que ele é capaz de criar uma grande dependência. Mas para aqueles que ainda insistem nessa ideia de continuar bebendo de forma exagerada, alguns outros problemas podem ser gerados também.

O álcool aumenta o ácido úrico no nosso organismo por conta de elevar a nossa desidratação. As bebidas que são fermentadas possuem maior quantidade de ácido e o seu consumo pode gerar o problema com as pedras.

  • Cuidado com o seu suor

Seja em razão do calor ou por conta de atividades físicas, o nosso corpo sofre com, além do desgaste físico, com uma desidratação intensa também. Por esse motivo, a urina vai ficando cada vez mais concentrada e as chances de um cálculo renal aparecer, são ainda maiores.

Nunca escolha parar com suas atividades físicas, pois elas auxiliam na nossa saúde. Apenas aprenda que se hidratar é sempre a melhor escolha.

  • Evite comer sal

Com um alto consumo de sal, a excreção do sódio fica elevada. Isso faz com que a produção de fósforo, cálcio,oxalatos e ácido úrico seja aumentada. Justamente isso pode causar as famosas pedras no rim.

Aprenda que uma das alternativas de como acabar com o cálculo renal é realmente usar cada vez menos, o sal. Isso é apenas um hábito que se nós forçarmos o costume, com certeza será possível.

  • Cuidado com as proteínas e com o cálcio

Principalmente as pessoas que já sofrem com o cálculo renal devem aprender a evitar as proteínas e o cálcio em excesso.

A proteína animal por exemplo, aumenta a secreção do ácido úrico urinário. Isso pode ajudar a gerar e a agravar os casos de cálculo renal.

Já em relação ao cálcio, vale somente para as pessoas que desenvolveram esse problema por conta desse nutriente. Em razão disso, será feito um controle para evitar a formação das pedras e também para evitar as que já existem.

Aprenda como acabar com o cálculo renal e dar tchau para esse problema

Nunca esqueça que diante de qualquer desconforto somado com febre, é muito importante procurar por atendimento médico em caráter de urgência. Cuide da sua saúde sempre!

Agora você já conhece algumas dicas de como acabar com o cálculo renal e você já pode começar o mais cedo possível. Não se deixe sofrer com esse problema que causa tantas dores.

Alimentos que Ajudam Controlar o Diabetes

O diabetes é caracterizado como uma síndrome de múltipla origem, ocasionada pela ausência de insulina ou pela incapacidade da mesma de exercer adequadamente a sua função, provocando um aumento dos níveis de glicose no sangue.

Controlar o Diabetes
Glucose level blood test

Saiba mais sobre o diabetes

Existem dois tipos diferentes de diabetes, o tipo 1 e o tipo 2. O diabetes tipo 1 é caracterizado pela incapacidade do pâncreas de produzir insulina graças à uma irregularidade do sistema imunológico, que faz com que os anticorpos ataquem as células produtoras da insulina.

Cerca de 10% dos pacientes que sofrem com o diabetes são portadores do tipo 1 da doença.

No diabetes tipo 2, há uma diminuição da secreção de insulina e uma falha na sua ação. Na maioria dos casos, esse tipo da doença pode ser tratado com medicamentos injetáveis ou orais, no entanto, o diabetes tipo 2 tende a se agravar com o passar do tempo. 90% dos portadores da doença sofrem com o diabetes tipo 2.

Sintomas do diabetes

Entre os principais sintomas da doença, podemos destacar:

– sede excessiva

– fome constante

– desejo de urinar frequentemente

– perda de peso

– fadiga

– fraqueza

– infecções frequentes

– formigamento nos pés

– dificuldade de cicatrização

– alteração visual ou visão embaçada

Diagnóstico e Tratamento do Diabetes

O diabetes não pode ser diagnosticado apenas com uma simples consulta. Para averiguar a presença da doença, é necessário que o paciente se submeta a três tipos de exames diferentes.

O primeiro deles é a glicemia de jejum, que mede os níveis de açúcar no sangue. Os valores acima de 200 mg/dL são considerados anormais e detectam a presença do diabetes.

O segundo exame é a hemoglobina glicada, que consegue detectar as concentrações de hemoglobina presentes em nosso sangue nos últimos 3 meses. Os valores apresentados pela hemoglobina glicada irão indicar se você sofre ou não com a hiperglicemia e puder iniciar uma investigação para o diabetes.

A curva glicêmica é o terceiro e último exame, capaz de medir a velocidade com o que o corpo absorve a glicose depois da sua ingestão. No exame, o paciente ingere cerca de 75g de glicose e tem a quantidade da substância medida no seu sangue após duas horas de ingestão.

O tratamento ideal para o diabetes consiste em uma vida mais saudável e no controle da glicemia, que é feito para evitar complicações futuras da doença.

Entre os principais cuidados com o diabetes está a prática de exercícios físicos, que é essencial para o tratamento e ajuda a manter os níveis de açúcar no sangue sob controle. É recomendado que o paciente pratique exercícios de 3 a 5 vezes por semana.

O ideal, no caso das pessoas que sofrem com o diabetes, é investir na prática de atividades leves. Nada de pegar muito peso na academia ou correr vários quilômetros diariamente. Fazer caminhadas ou andar de bicicleta durante alguns minutos já é o suficiente.

Outro ponto importante também e que não podemos deixar de comentar é o controle da dieta. Os portadores do diabetes devem evitar ao máximo os açúcares dos doces e dos carboidratos simples, presentes em massas e pães, já que esses açúcares possuem um alto índice glicêmico.

Consultar um nutricionista quando você é diagnosticado com o diabetes é um procedimento estritamente necessário. Com a ajuda de um profissional, você saberá exatamente o que pode e o que não pode comer, além de ser informado sobre as quantidades exatas de alimento a serem ingeridas diariamente.

Os portadores do diabetes tipo 1 devem tomar insulina diariamente, fato que não acontece com todos os portadores do tipo 2. Procure conversar sempre com o seu médico para que juntos, vocês possam definir quais são as melhores formas de tratamento.

Alimentos que ajudam controlar o diabetes

Quem sofre de diabetes sabe como é difícil controlar essa doença. Qualquer dica que contribua de alguma forma, é sempre bem vida, não é mesmo? Por esse motivo organizamos alguns alimentos que ajudam controlar a diabetes.

A glicose é a responsável por fornecer energia suficiente para o nosso organismo. Através da insulina, ela é metabolizada em nossas células. Quando na ocorrência de açúcar em excesso no nosso corpo, o organismo não é capaz de produzir insulina suficiente para a glicose.

Por esse motivo, esse excesso de glicose acaba sendo enviado para a nossa corrente sanguínea. Agora que você já sabe como esse problema acontece dentro do organismo, acompanhe com a gente as dicas que foram elaboradas e organizadas para você.

Alimentos que ajudam controlar o diabetes em nosso dia a dia

Alimentos que ajudam controlar o diabetes

É muito importante possuir uma dieta bastante equilibrada e que seja rica em fibras, por exemplo. Manter o cuidado com a quantidade de carboidrato que é ingerida é um dos pontos chaves para conseguir ter uma vida saudável, mesmo com essa doença que persegue tantas pessoas.

  • Aveia

Principalmente para aquelas pessoas que sofrem de diabetes tipo 2, esse alimento é essencial. É extremamente rico em fibras solúveis. Possuí nutrientes que têm por função auxiliar na diminuição da velocidade em que a glicose é absorvida.

Também é muito válido ressaltar que a aveia ajuda e muito a controlar a absorção do colesterol no nosso organismo. Esse é um dos ótimos alimentos que ajudam controlar o diabetes.

Uma dica fundamental é não ingerir esse alimento quente. Pois dessa forma, ele perde completamente todos os seus nutrientes. O ideal é ingerir no mínimo, quatro colheres de aveia todos os dias.

  • Peixes

Já deixando claro que os melhores peixes para serem ingeridos são os que vivem em águas profundas e frias. Como por exemplo, o salmão, a cavalinha, sardinha e atum.

Esses peixes são bastante ricos em ômega 3. Por esse motivo, ajudam a controlar a diabetes tipo 2 e a diminuir a concentração de glicose no nosso organismo.

O ômega 3 consegue até mesmo evitar alguns problemas cardiovasculares. Principalmente os diabéticos estão correndo risco de sofrer com esse problema.

Como existe certo excesso de glicose na veia de quem sofre de diabetes, as chances de ocorrer uma oxidação dos vasos sanguíneos por esse motivo, é muito maior.

  • Amêndoas

É um dos alimentos que ajudam controlar o diabetes por que é rico em gorduras boas, além de possuir uma ótima quantidade de magnésio.

Dentro de uma crise de glicose elevada, o diabético acaba perdendo alguns nutrientes fundamentais como, por exemplo, o magnésio. Por essa razão, é tão importante ingerir amêndoas regularmente.

Para aquelas pessoas que não sofrem de diabetes, é muito importante também esse consumo. Acredite, um simples alimento como esse ajuda até mesmo evitar essa doença.

  • Batata Yacon

Essa batata ajuda e muito para quem é portador de diabetes tipo 2. Ela ajuda a controlar a glicemia e por esse motivo também é um alimento muito importante na dieta para quem sofre com essa doença.

A Batata Yacon é consumida pelo nosso organismo de forma bastante lenta, totalmente ao contrário dos outros carboidratos. O corpo não consegue quebrar as moléculas facilmente e assim, a absorção é mais lenta.

Agora que você já conhece alguns alimentos que ajudam controlar o diabetes você já sabe um pouco sobre alguns alimentos que são fundamentais para uma dieta de quem sofre de diabetes.  Sendo assim, acrescente-os no seu cardápio.

Alguns alimentos que ajudam controlar o diabetes são capazes de até mesmo evitar essa doença. Seja você é uma pessoa que sofre ou não desse mal, aprenda que comer melhor é sinônimo de viver melhor.

Posts navigation

1 2
Scroll to top