Saiba o que fazer quando a pressão está alta

Hábitos saudáveis diminuem as chances de crises hipertensivas.

Veja o que fazer quando a pressão está alta

quando a pressão está alta

Dados do Ministério da Saúde mostram que a hipertensão arterial é um dos mais importantes fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, cerebrovasculares e renais, sendo responsável por pelo menos 40% das mortes por acidente vascular cerebral no Brasil.

Até 2025, o número de hipertensos no país deverá crescer 80%, segundo estudo da Escola de Economia de Londres, do Instituto Karolinska (Suécia) e da Universidade do Estado de Nova Iorque. Atualmente, 17 milhões de brasileiros têm pressão alta. Os motivos para o índice subir tanto, ainda segundo o levantamento, são cigarro, sedentarismo, obesidade, má alimentação e álcool.

O valor de referência da pressão alta é igual ou superior a 14/9, não importando a idade. Para diagnosticar a doença, são necessárias várias aferições, pois isoladamente essa marcação pode ser em decorrência de algum estresse passageiro ou do excesso de consumo de sal. A pressão em 12/8 é considerada satisfatória.

Dá para reduzir a pressão se você:

– parar de fumar ou de ingerir álcool

– reduzir o consumo de sal e de alimentos gordurosos

– praticar esportes

– preferir óleos vegetais para cozinhar

Possíveis sintomas da hipertensão

Saiba o que fazer quando a pressão está alta
Doctor taking pulse of the patient who has life insurance policy, view from the top

Uma pessoa portadora da doença e que já passou por algumas crises hipertensivas tem mais probabilidade de reconhecer a elevação da pressão arterial. É raro, mas alguns pacientes identificam:

– Sensação de mal-estar súbita

– Ansiedade e agitação

– Dor de cabeça muito forte

– Tontura repentina

– Visão borrada

– Dor no peito e dificuldade para respirar

– Tosse e falta de ar.

Prevenir a hipertensão, que tem também fatores hereditários, é viável mediante uma vida saudável. Se você não fuma, não bebe, mantem uma dieta rica em vegetais, evita frituras e pratica atividades físicas, já está num bom caminho.

Ter conhecimento sobre seu corpo e ir ao médico regularmente são outras responsabilidades que você deve ter consigo mesmo. Pelo menos uma vez ao ano, confira a sua pressão. O serviço é disponibilizado em farmácias.

Se você observar alguém passando mal, chame um médico imediatamente. Ao lesionar os vasos sanguíneos e os músculos do coração, o corpo pode ocasionar AVC, infarto, insuficiências renais e cardíacas e até morte súbita.

O que achou do artigo? Deixe um comentário! E aproveite para conferir outras dicas de saúde e atividade física aqui no Vivo Mais Saudável.

Dia do Esportista: Entenda a importância de se exercitar

Meia hora de atividades diárias reflete positivamente na saúde do corpo.

Dia do Esportista: Benefícios do movimento

Dia do Esportista

A prática de esportes é um hábito positivo para melhorar a saúde do organismo e prevenir diversas doenças. Abaixo, você confere algumas das vantagens de ser um atleta, mesmo que amador.

Os exercícios físicos proporcionam melhor circulação sanguínea, o que contribui para o controle da pressão arterial e para a redução da frequência cardíaca de repouso. Além disso, são um importante aliado na prevenção de doenças cardiovasculares, diabetes, colesterol alto e obesidade.

Respiração adequada

O esporte ajuda na melhora da capacidade pulmonar, na resistência respiratória e no fortalecimento dos músculos da região. Dessa forma, o atleta acaba ficando menos propenso a desenvolver problemas respiratórios.

Emagrecimento

Esportistas também desfrutam de mais resistência, força e definição muscular. Ainda, as atividades ajudam na queima de gordura, promovendo o emagrecimento.

Melhora cerebral

Não são apenas os músculos que saem beneficiados pela prática de atividades físicas. Ao se movimentar, a pessoa melhora o funcionamento do sistema nervoso central, potencializando a produção de neurônios nas regiões associadas à aprendizagem e à memória. As chances de o atleta sofrer com ansiedade, depressão, estresse ou insônia também diminuem.

Bem-estar

Cerca de 30 minutos de atividade física já são suficientes para o corpo liberar neurotransmissores conhecidos pela sensação de bem-estar. Ficar mais relaxado colabora para a autoconfiança e a autoestima.

Avaliação e acompanhamento

Entenda a importância de se exercitar

A recomendação é praticar, pelo menos, 30 minutos de atividades físicas, cinco vezes por semana. Você pode apostar numa partida de futebol ou numa caminhada pelo parque, por exemplo. Para sua segurança, porém, é importante fazer uma avaliação médica antes de começar a prática de quaisquer exercícios, certificando-se de que o organismo está apto para as atividades.

Dependendo da modalidade escolhida, também é necessário obter acompanhamento de um profissional. Um educador físico ou um fisioterapeuta poderá lhe orientar sobre movimentos corretos, hábitos saudáveis e uma rotina segura para o seu dia a dia.

Descanso e alimentação saudável também devem estar presentes na rotina do esportista, garantindo melhores resultados e um organismo fortalecido.

Que tal aproveitar o Dia do Esportista para deixar a preguiça de lado e começar numa nova modalidade? Alerte amigos e familiares sobre a importância da prática regular de exercícios! E não se esqueça de acompanhar as dicas de saúde e atividade física do Vivo Mais Saudável.

Saiba como fortalecer as articulações com exercícios

Medida pode ajudar a prevenir e tratar doenças como a artrose, tão comum em idosos.

fundamentais para manter uma boa articulação. Confira a seguir quais são as mais indicadas e conquiste qualidade de vida.

5 exercícios para você experimentar

1. Bicicleta

 fortalecer as articulações com exercícios

Ideal para quem já sofre com algum problema de articulação, pois não causa muito impacto, a bicicleta também ajuda a melhorar a circulação sanguínea e a fortalecer todos os músculos inferiores do corpo.
No entanto, há casos em que ela não é indicada, conforme lembra a  fisiatra Pérola Grinberg Plapler.

Por exemplo, se a região afetada for a patela, os exercícios que dobram e esticam os joelhos, como a pedalada, não devem ser feitos, principalmente se provocarem dor.  

2. Natação e hidroginástica

Quase sem restrições, o nado é o exercício que mais ajuda a fortalecer as articulações sem comprometê-las, devido à total ausência de impacto. Além disso, também é um grande aliado na perda de peso, já que é um exercício aeróbico de grande gasto energético.

O mesmo vale para a hidroginástica. A água amortece o impacto dos pés com o chão e oferece maior resistência que o ar. Os exercícios feitos dentro da piscina trazem um maior consumo de calorias sem prejudicar as articulações.

3. Alongamento

O alongamento também traz diversos benefícios para as articulações dos idosos. Exercícios como a yoga, por exemplo, trazem vantagens, principalmente, por aumentar a flexibilidade, aliviar a tensão muscular e ativar todas as possibilidades de movimento operacionais.

No entanto, se você não curte essa pegada mais zen, a fisioterapeuta Mariana Schamas indica algo mais simples, que também traz resultados. “Ao se deitar e antes de levantar, tente esticar uma perna de cada vez, alongando a parte posterior, fazendo duas séries de dez vezes em cada perna. Essa simples ação ajuda a lubrificar a articulação e alongar a musculatura”, explica.

4. Musculação

Até mesmo os treinos de musculação são benéficos para os idosos, pois enrijecem a estrutura muscular, fortalecendo as camadas que protegem as articulações. Porém, certifique-se de que você não está pegando pesado demais. A orientação de um personal trainer faz toda a diferença nessas horas.

5. Subir escadas

sintomas se não fazer exercícios

Esse é uma das atividades mais eficazes para fortalecer as articulações, os ossos e os músculos dos membros inferiores. E a vantagem é que, com tantas escadas espalhadas por aí, nem é preciso ser aluno de uma academia para se exercitar assim. O único cuidado que você precisa ter é usar o calçado ideal. Procure optar por tênis com molas amortecedoras, que diminuem o impacto.

Gostou das dicas? Então aproveite para compartilhar o artigo com seus amigos e familiares! E não deixe de conferir as novidades de saúde e atividade física do Vivo Mais Saudável.

Cálculo Renal: Tipos, Sintomas e Tratamento

O cálculo renal é uma doença caracterizada pela presença de uma massa sólida formada por cristais bem pequenos que podem se alojar nos rins ou em qualquer órgão do sistema urinário. Popularmente, o cálculo renal é conhecido como “pedra nos rins”.

Tipos de cálculo Renal

Tipos de cálculo Renal

O cálculo renal se apresenta sobre quatro formas diferentes, sendo elas: cálculo de estruvita, cálculo de cistina, cálculo de cálcio e cálculo de ácido úrico.

O cálculo de estruvita costuma ser encontrado em mulheres que sofrem com infecção no trato urinário. As pedras causadas por esse tipo de cálculo podem crescer demasiadamente e obstruir o rim ou a bexiga.

O cálculo de cistina, como o próprio nome já diz, aparece nas pessoas que sofrem com a cistinúria, conhecida doença renal de aspecto hereditário que pode atingir tanto os homens quanto as mulheres.

O cálculo de cálcio é o tipo mais comum, e pode ocorrer com maior incidência nos homens do que nas mulheres. Geralmente, as “pedras” de cálcio aparecem entre os 20 e os 30 anos, e podem surgir novamente mesmo após o tratamento.

Esse tipo de problema acontece quando o cálcio se une à outras substâncias como o fosfato e o carbonato, e forma a pedra. As dietas à base de vitamina D costumam favorecer o surgimento do cálculo.

Cálculo Renal – Sintomas e Tratamento

As pedras nos rins podem existir sem o aparecimento de nenhum sintoma no inicio. A dor só começa quando elas começam a se movimentar pelos órgãos do trato urinário. Entre os principais sintomas da doença, podemos citar:

– Dor ao urinar

– Dores fortes na região abdominal

– Urina avermelhada ou com a presença de sangue

– Necessidade frequente de urinar

– Vômito e náuseas

Se você está sofrendo com um ou mais desses sintomas, está na hora de procurar um médico. Durante a consulta, você deve informar ao médico quais são os seus sintomas, com que frequência eles aparecem e desde quando você notou o surgimento deles.

Como fazer o diagnóstico do cálculo renal

Ultrasom para diagnóstico do cálculo renal

Geralmente, o profissional mais indicado para cuidar de um paciente que apresenta sintomas de cálculo renal é o nefrologista. No momento da consulta, é importante que você esteja preparado para responder à algumas perguntas e também para expor todas as suas dúvidas relacionadas à doença.

Para confirmar o diagnóstico, o médico deverá solicitar alguns exames como exames de sangue, de urina e de imagem.

Antes de começar o tratamento, é necessário identificar qual é o tipo de cálculo renal, o que está provocando o aparecimento das pedras e qual são o tamanho das mesmas.

Geralmente, quando as pedras são muito pequenas, não será preciso que o paciente passe por procedimentos invasivos. É necessário apenas que ele siga estritamente as orientações do médico.

Os médicos costumam sugerir que o paciente beba muita água, para que as pedras sejam eliminadas através da urina, e tome analgésicos para aliviar a dor provocada pelo cálculo renal.

Quando as pedras são muito grandes e provocam dores fortes no paciente, o tratamento deverá ser feito de forma diferente. Nesse caso, as pedras não podem ser eliminadas de forma natural, e é necessário realizar procedimentos mais invasivos, como uma traqueostomia, por exemplo.

Na traqueostomia, o paciente sofrerá um pequeno corte na região das costa, e as pedras maiores serão retiradas por um procedimento cirúrgico.

Para evitar o aparecimento do cálculo renal, procure tomar bastante água, reduzir a quantidade de proteína e sal nas suas refeições e evitar os alimentos ricos em oxalato, como a batata, as nozes e o chocolate.

Como todos nós sabemos, é sempre melhor prevenir do que remediar. O cálculo renal não é um problema grave, a princípio, mas se não for tratado corretamente, pode acabar se tornando um.

Como acabar com o cálculo renal

Pequenos cristais são responsáveis pela formação de uma massa sólida que dão origem ao cálculo renal. Esse problema afeta principalmente os rins, mas pode afetar qualquer outro órgão do trato urinário. Se você sofre desse mal, confira como acabar com o cálculo renal.

A causa desse grande problema, pode se dar quando há maiores quantidades de substâncias como o cálcio, ácido úrico e oxalato na urina. São essas as substâncias que são capazes de formar os cristais que dão origem as pedras.

Como acabar com o cálculo renal de uma vez por todas

Quem já sofreu com cálculo renal sabe as dores que esse problema trás. Tamanha são elas que levam a vômitos, náuseas, febre e até mesmo sangue na urina. Sabemos que quanto maior o cálculo, maior a dor também.

  • Beba bastante líquidos

Os líquidos são importantes para qualquer pessoa que queira se manter saudável. Eles são os responsáveis pela hidratação do nosso corpo.

Beber no mínimo dois litros de líquidos por dia, é o mais indicado para quem está com dúvida sobre como acabar com o cálculo renal e colocar um ponto final nesse problema.

A água por exemplo, é capaz de diminuir a concentração da urina. Isso faz com que os cristais sejam diluídos, impedindo o seu crescimento.

  • Evite ingerir álcool em excesso

Em primeiro lugar, o ponto negativo em relação ao álcool é que ele é capaz de criar uma grande dependência. Mas para aqueles que ainda insistem nessa ideia de continuar bebendo de forma exagerada, alguns outros problemas podem ser gerados também.

O álcool aumenta o ácido úrico no nosso organismo por conta de elevar a nossa desidratação. As bebidas que são fermentadas possuem maior quantidade de ácido e o seu consumo pode gerar o problema com as pedras.

  • Cuidado com o seu suor

Seja em razão do calor ou por conta de atividades físicas, o nosso corpo sofre com, além do desgaste físico, com uma desidratação intensa também. Por esse motivo, a urina vai ficando cada vez mais concentrada e as chances de um cálculo renal aparecer, são ainda maiores.

Nunca escolha parar com suas atividades físicas, pois elas auxiliam na nossa saúde. Apenas aprenda que se hidratar é sempre a melhor escolha.

  • Evite comer sal

Com um alto consumo de sal, a excreção do sódio fica elevada. Isso faz com que a produção de fósforo, cálcio,oxalatos e ácido úrico seja aumentada. Justamente isso pode causar as famosas pedras no rim.

Aprenda que uma das alternativas de como acabar com o cálculo renal é realmente usar cada vez menos, o sal. Isso é apenas um hábito que se nós forçarmos o costume, com certeza será possível.

  • Cuidado com as proteínas e com o cálcio

Principalmente as pessoas que já sofrem com o cálculo renal devem aprender a evitar as proteínas e o cálcio em excesso.

A proteína animal por exemplo, aumenta a secreção do ácido úrico urinário. Isso pode ajudar a gerar e a agravar os casos de cálculo renal.

Já em relação ao cálcio, vale somente para as pessoas que desenvolveram esse problema por conta desse nutriente. Em razão disso, será feito um controle para evitar a formação das pedras e também para evitar as que já existem.

Aprenda como acabar com o cálculo renal e dar tchau para esse problema

Nunca esqueça que diante de qualquer desconforto somado com febre, é muito importante procurar por atendimento médico em caráter de urgência. Cuide da sua saúde sempre!

Agora você já conhece algumas dicas de como acabar com o cálculo renal e você já pode começar o mais cedo possível. Não se deixe sofrer com esse problema que causa tantas dores.

Scroll to top