Depressão, doença séria e crescente

Sintomas da Depressão

Uma tristeza profunda, o ar de quem não se interessa pela vida exterior, a inércia, o olhar perdido no infinito. Quantas vezes personagens da literatura ou da pintura foram retratados assim, ou quantos artistas tinham comportamentos próximos disso. Pois bem, a chamada melancolia, tão apreciada pelo romantismo, pode ser na verdade um grave problema de saúde, um tipo de depressão que, boa parte das vezes leva à perda da capacidade de sentir prazer na vida, com grande sofrimento para os portadores da doença, em especial, as pessoas idosas.  

De acordo com o especialista em transtornos do humor, Dr. Teng Chei Tung, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, em São Paulo, é preciso distinguir a tristeza, uma emoção universal, do sofrimento representado pela depressão melancólica,  que tem características incapacitantes e não pode ser controlada pelo paciente sozinho, necessitando de tratamento clínico. Segundo o especialista, há cinco tipos principais de depressão: a melancólica, a atípica, a psicótica, a sazonal e a ansiosa.

Tipos de depressão

depressão melancólica é uma das menos conhecidas pela população. “Como pode atingir os idosos, é muitas vezes confundida como uma condição da idade, atribuindo sintomas da melancolia como esquecimento e desânimo a características da velhice, o que não é verdade”, diz. Até bem recentemente esses pacientes não procuravam os médicos psiquiatras – situação que vem mudando em virtude da maior aceitação dos tratamentos dos males da mente e da divulgação de informações, cada vez maior, a respeito dos mesmos. “Ainda assim, existem algumas pessoas com quadro de depressão melancólica não identificado”, afirma o Dr. Teng.


De acordo com o psiquiatra, alguns sintomas clássicos desse tipo de depressão são os pensamentos negativos, a idéia de morte constante, um desencanto sem fim, tédio, uma inatividade forte e, principalmente, perda de apetite e insônia. Em relação aos outros tipos de depressão, tem uma “vantagem” para sua percepção: enquanto as demais podem ser mascaradas, a melancolia é indisfarçável, está constantemente presente no rosto e na expressão do doente. “Além do abatimento físico que todos notam em função do emagrecimento do indivíduo”, afirma o especialista.

O Dr. Teng lembra ainda que os chamados “transtornos de humor” – diversas doenças associadas à depressão – são conhecidos há séculos. Hipócrates, o “pai da medicina”, usou o termo melankolia, que significa “bile negra”,  para nomear um dos quatro humores que constituiriam o corpo humano (juntamente com a bile amarela, o sangue e a fleuma). O excesso de bile negra seria responsável pela tristeza e angústia que caracterizam a depressão.

Números da Organização Mundial de Saúde afirmam que em algum momento da vida, em torno de 25% da população do planeta terão momentos ou fases de depressão. Se durante muito tempo a melancolia foi encarada como uma espécie de atributo cultural, a descoberta dos antidepressivos, na década de 50, significou um grande avanço no tratamento dos transtornos do humor. Observou-se que certas substâncias agem sobre outras que atuam no sistema nervoso, principalmente sobre a serotonina, que influencia o humor e controla a liberação de hormônios que mexem com a disposição, sono e fome, por exemplo.

Distúrbios com a serotonina são característicos em deprimidos. Para o Dr. Teng são vários os fatores relacionados ao forte aumento de transtornos de humor observados nos últimos anos, como por exemplo, as pressões da vida moderna, o estilo de vida sedentário e o aumento do número de pessoas que usam medicamentos para emagrecer e drogas ilícitas. Como forma de tratamento ele recomenda o uso de medicamentos, associado à psicoterapia e exercícios físicos.

“Os primeiros antidepressivos traziam muitos efeitos colaterais e até hoje a medicação deve ser acompanhada com cuidado e sempre pelo médico”, explica o especialista. Atualmente, diz ele, novos estudos e descobertas fazem com que medicamentos atuem de forma mais segura nos diversos tipos de depressão. Uma das substâncias mais adequadas, em especial nos casos de depressão melancólica, é a mirtazapina, que não tem efeitos colaterais importantes, pode ser associada a outros medicamentos (inclusive outros antidepressivos), não afeta a libido, nem o coração, com bom desempenho na recuperação do apetite e na melhoria do sono.

Depressão

Opinião do especialista

Segundo o Dr. Teng Chei Tung, até hoje a mirtazapina tem sido sub-utilizada, em parte porque, até há pouco tempo, era um medicamento caro, sem muitas opções no mercado. Mas atualmente existem outros produtos com preço bem mais acessível permitindo uma utilização mais ampla e maior adesão ao tratamento. Assim, com mais informações, menos preconceito em procurar o médico para tratar do problema e com drogas mais eficazes e baratas, o especialista acredita que o tratamento da depressão melancólica deve obter maiores níveis de eficiência. 

Afinal, pondera, é uma doença relativamente fácil de tratar, podendo ser, inclusive, bem controlada, desde que haja diagnóstico rápido e efetivo da doença. Para isso, o apoio familiar é muito importante, até para a percepção dos sintomas,  já que exames clínicos normais não acusam o problema. Mais informações no Ipq – Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.


Coordenador dos Serviços de Pronto-Atendimento e de Interconsultas Ambulatoriais do Ipq (Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo).


Dr. Teng Chei Tung
Scroll to top