Hepatite

A hepatite é o termo utilizado para designar todas as degenerações do fígado, que podem ter diferentes causas. A maioria delas está relacionada com as infecções de vírus dos tipos A, B e C e com o consumo excessivo de álcool e outras substâncias tóxicas.

Tipos de hepatite

Existem vários tipos diferentes de hepatite, e vamos falar um pouco sobre cada uma delas a seguir.

– Hepatite tipo A

A hepatite A pode ser detectada por meio de um exame de sangue e não há um tratamento específico para combater a doença, onde espera-se que o paciente reaja naturalmente. Hoje em dia, é possível encontrar uma vacina específica contra a hepatite A, no entanto, a melhor forma de prevenção ainda é o saneamento básico.

– Hepatite tipo B

Os vírus que causam a hepatite B são transmitidos por meio do sangue. Essa transmissão pode ocorrer no caso dos usuários de drogas, que compartilham seringas contaminadas, e no caso de pacientes que são infectados por materiais cirúrgicos não descartáveis. É capaz de levar ao câncer de fígado, a cirrose e também à morte. Age no fígado 20, 30 anos surdamente. É muito raro conseguir a cura total mas é possível viver com essa doença se tratada da maneira correta. É transmitida por contato sanguíneo e principalmente por relações sexuais.

 É nesse momento que percebemos a importância do cuidado que devemos ter em sessões de tatuagem, e nos casos de transfusão de sangue, por exemplo. O vírus da hepatite B também pode ser transmitido através do contato sexual, o que reforça a necessidade do uso da camisinha.

Os sintomas da hepatite B podem demorar para aparecer, e grande parte dos infectados só descobre a presença da doença muitos anos depois de seu surgimento.  Ao contrário da hepatite A, o tipo B pode evoluir para casos mais graves, como a cirrose ou até mesmo o câncer de fígado.

– Hepatite tipo C

Aproximadamente 200 milhões de pessoas no mundo inteiro possuem o vírus da Hepatite tipo C. É um dos tipos de hepatite que é a maior epidemia nos dias atuais.

Consegue ser superior a AIDS/HIV em até 5 vezes. É transmitida via transfusões, seringas compartilhadas, contato sanguíneo. Não é transmitida por relação sexual e não tem vacina.

– Hepatite tipo D

Somente pacientes com a Hepatite tipo B, conseguem ser contaminados com a do tipo D. Isso acaba acelerando a progressão desse doença. Por isso existe a grande necessidade da vacina contra a hepatite do tipo B.

– Hepatite tipo E

Sua transmissão se dá pela via digestiva (fecal-oral). É capaz de provocar epidemias em algumas regiões. Mulheres grávidas infectadas podem apresentar a doença em formas mais graves.

Para evitar o contato com esse tipo do vírus, consumir apenas água bem tratada e ter uma melhor higiene já é capaz de gerar um grande efeito.

– Hepatite tipo F

Esse tipo pode ser totalmente desconsiderado. Alguns relatos mostraram que não existe nenhuma confirmação desse tipo do vírus.

– Hepatite tipo G

Normalmente ocorre principalmente entre usuários de drogas endovenosas. É transmitido pelo contato com o sangue. Existem casos de receptores de sangue que foram contaminados. Também pode ser transmitido em relações sexuais e na gravidez.

Como prevenir essa doença

A melhor forma de se prevenir contra a hepatite do tipo A por exemplo, é ter medidas como melhoras no saneamento básico, nas condições de vida e de higiene;

Para prevenir contra a do tipo B o controle do banco de sangue através da triagem sorológica é a melhor alternativa. Mas também podemos contar com a vacinação disponível no SUS;

Não existe nenhum tipo de vacinação para a do tipo C. Mas a triagem no banco de sangue e na doação do sêmen, por exemplo já são ótimas medidas controladoras;

Tratamento da hepatite

Tratamento e alguns cuidados para os tipos de hepatite

Na sua forma aguda, não existe nenhum tipo de tratamento. De acordo com a condição do infectado, uma das melhores alternativas é o repouso.

Um dieta que seja bastante rica em carboidratos e pobre em gorduras, apesar de fazer parte da culta popular, é benéfica em relação a melhor digestão para a pessoa que já está totalmente sem apetite.

A pessoa infectada terá restrição total do álcool por um período de 6 meses e de até 1 ano, dependendo do caso.

Scroll to top